January 17, 2017
Eike
Malavasi

PaaS e Microserviços: benefícios e facilidades

PaaS e Microserviços

O ano de 2017 está começando, e com ele muitos dos termos e hypes criados no ano passado estão começando a ganhar tração em grandes e pequenas empresas.Um dos maiores temas que vêm crescendo e ganhando força é o DevOps, que nasceu da cultura ágil e da necessidade de se criar, implantar e testar sem burocracia.O DevOps provém do uso de cloud computing e junto com a Cloud muitos serviços que facilitam essa metodologia e até mesmo ajudam em negócios começaram a nascer, entre os mais comuns estão o SaaS, IaaS e PaaS.Para explicar melhor PaaS, vou definir antes os outros dois:

  • SaaS: É um modelo onde a aquisição e/ou utilização de um software não está relacionado a compra de licenças, ou seja, você utiliza algum software e paga por sua utilização.
  • IaaS: De maneira análoga a anterior, neste modelo você contrata sua infraestrutura como serviço, com uma vantagem muito interessante ao modelo tradicional, que é a contratação de servidores virtuais (e outros dispositivos de infraestrutura) ao invés de comprar servidores, roteadores, racks e outras “caixas” de hardware.

Agora que você já compreendeu a trajetória, vamos falar de PaaS e Microserviços.

A definição de PaaS

Para você que está interessado, mas ainda não entende muito bem o que de fato é PaaS, vou te explicar:PaaS (Plataforma como Serviço), é um ambiente de desenvolvimento e implantação de aplicativos compartilhado e facilmente escalável. Por ser distribuído como um serviço você paga conforme o uso a plataforma.Legal, mas o que esse ambiente oferece? Normalmente os ambientes oferecem serviços que te permitem criar bancos de dados, middlewares, serviços para realizar deploy, testes e manter as aplicações - tudo isso na mesma IDE, ou seja, no mesmo ambiente de desenvolvimento.

Os benefícios que o uso de PaaS pode trazer para a sua empresa

Neste ano de 2017 é muito provável que você trabalhe com PaaS (se ainda não trabalha) ou pelo menos teste algumas features neste modelo. E para isso, é necessário eu te explicar os dois principais benefícios que identificamos nesse modelo de trabalho

Redução de Custo e Agilidade

Com a utilização de uma plataforma PaaS para construção de seus negócios, os custos com provisão de máquinas para Deploy e grandes parques para escalabilidade são diluídos, pois como é possível realizar aplicações simples sem grande complexibilidade o custo é consideravelmente menor.A agilidade é o mais importante dos benefícios diretos da utilização de Plataforma como serviço, pois como é muito simples realizar o deploy para a utilização de suas aplicações, os testes acontecem de maneira praticamente instantânea.E temos que concordar que nos dias atuais, timing é um dos principais fatores para que o seu negócio dê certo.Para exemplificar a agilidade desse modelo, vou te mostrar em 4 passos simples o quão rápido seria a sua exposição:

  1. Criar o MVP da sua ideia/negócio
  2. Realizar Deploy no PaaS
  3. Expor as APIs com segurança
  4. Passar suas APIs para quem vai consumir

Muito simples, né? Então agora vou te mostrar como o seu MVP deve ser acelerado e construído.

Arquitetura de Microserviços sendo favorecida pelo PaaS

Um dos modelos arquiteturais mais falados aqui no blog da Sensedia é Microserviços, se você não acompanha muito o blog ou quer entender melhor esse modelo, vou listar meus 3 artigos favoritos sobre esse assunto:

Agora que você já entende de Microserviços, eu vou te explicar o motivo desse modelo ser tão adotado e favorecido pelo PaaS.No bloco anterior eu comentei que o primeiro passo para garantir a sua agilidade é ter o MVP que vai ser testado, e para isso Microserviço é o melhor caminho.Na visão de Martin Fowler, o próprio Microserviço é responsável por ter o seu banco de dados, gerenciar e expor os seus endpoints em forma de APIs RestFul. Colocando então esses dois pontos na mesa, fica fácil enxergar que para uma plataforma PaaS este direcionamento arquitetural é o ideal.Sendo assim, essa modelagem, com tecnologias como Node.js ou SpringBoot é a mais indicada em novas implementações, isso por ser fácil de se criar e muito rápido.Os resultados dessa associação deixam claro o porquê Microserviços e PaaS são citados em conteúdos sobre tendências para 2017 como este artigo da CIO, em que todas as 8 tendências giram em torno dessas duas tecnologias que citei.

Como utilizar PaaS e Microserviços com o seu legado

Agora que já definimos, sabemos os benefícios e até mesmo uma modelagem arquitetural para iniciar seus trabalhos, quero também detalhar com você os primeiros passos para usar essa vantagem também com seus sistemas legados, e não apenas para lançar novos produtos.Uma das maiores dificuldades encontradas hoje por grandes empresas é conseguir se transformar digitalmente, saindo até mesmo de mainframes antigos e chegando no modelo ágil de maneira simplificada e rápida.Utilizar PaaS e “Microserviços” para este caso é com certeza uma das melhores saídas.Mas então como fazer?O “Microserviço” deste caso, criado e deployado no PaaS, não será nada mais nada menos que uma camada superior ao seu backend, construída para consumir o seu legado de forma eficaz e ágil, ou seja, um desenvolvimento com tecnologias atuais que até mesmo interpreta mensagens em Cobol para expor em REST.Nessa solução então, o Microserviço não terá o seu próprio banco de dados, ao invés disso conseguirá realizar o gerenciamento do seu ambiente mais antigo.

Começando...

Agora que você já está 100% contextualizado com PaaS e também em como Microserviços habilitam ainda mais esta estratégia, proponho que você faça um pequeno exercício envolvendo o seu negócio.Para que toda esta estratégia e utilização de PaaS e Microserviços dê certo é necessário quebrar o seu negócio em pequenas partes, então pense exatamente neste aspecto, como o seu negócio pode ser destrinchado em pequenas soluções completas?Esta é a primeira pergunta que deve ser respondida, a partir dela você já começará a enxergar seu negócio mais compartimentalizado e deste modo com certeza vai trazer mais inovação e agilidade.Para validar e te apoiar é sempre muito bom ter um parceiro que já possua experiência e casos de sucesso neste tipo de abordagem, como por exemplo iniciativas de Open Banking e até mesmo Open Insurance que são muito complexas e interessantes de entender.Com o seu esforço diluído entre diferentes serviços completos que geram alto valor para o seu negócio, o segundo passo é criar uma estratégia de inovação criando novas aplicações ou uma estratégia de aproveitamento do seu legado, que como você deve ter percebido existe espaço para as duas abordagens em sua empresa.Feito essa escolha, você já tem toda a sua estratégia de negócio baseada em Microserviços e PaaS, agora é só colocar a mão na massa.

Obrigado pela leitura!

Voltar ao arquivo