Open Insurance
6
min of reading
September 1, 2022

O que você precisa saber sobre a Fase 2 do Open Insurance

Hecktor Colombo
Content Creator
Marketing analyst. Specialist in content creation for blog, social networks, websites and journalistic text producer. Majoring in Marketing and Journalism at Estácio de Sá, in Rio de Janeiro
More about the author

Aderir ao serviço de seguro ficará cada vez mais fácil no decorrer do atual processo de inovação e desenvolvimento digital nessa área. Até pouco tempo atrás, a burocracia e trâmites mais tradicionais de contratação afastavam os brasileiros na hora de priorizar este tipo de serviço em suas vidas. Hoje, o responsável por essa mudança é o modelo Open.

Dentro do universo do Open Finance, setores como o bancário e de investimentos já estão em processos mais avançados em questão de regulações e ofertas através de um modelo aberto de negócio.

Por isso, trouxemos neste artigo as fases que já foram e estão sendo implementadas no Open Insurance para levar este mercado junto aos demais dentro do Open Finance.

Contextualizando a Fase 1

Na primeira fase, chamada de Open Data, as seguradoras foram as responsáveis por compartilhar seus dados, ofertas e serviços disponíveis entre elas e para os consumidores. Ou seja, nesse primeiro momento, houve a abertura de dados entre as próprias empresas, de forma segura e padronizada. 

Com esses dados abertos, é possível que os negócios tenham uma visão maior sobre os produtos da concorrência e que os consumidores consigam comparar preços e produtos entre as instituições.

A Fase 1 teve início em dezembro de 2021 e se encerrou em junho de 2022.

O benefícios da Fase 2 do Open Insurance para o negócio e seus consumidores

Com início previsto para o mês de setembro de 2022 e término em junho de 2023, essa é a fase na qual o consumidor pode agir diretamente.

Ao ter total controle e liberdade no uso de seus dados, o consumidor pode escolher a empresa que possui a melhor oferta em relação à sua necessidade e compartilhar suas informações com ela, da forma que preferir.

Com os dados em mãos, as empresas poderão entender a necessidade dos seus clientes de forma mais profunda e, com isso, oferecer produtos mais personalizados para cada um. Aí está o grande diferencial desta Fase 2.

A segurança no compartilhamento de dados em um modelo aberto

Ao entender o conceito Open para as seguradoras, é possível identificar diversos benefícios para o dia a dia de quem pensa em ter este modelo ativo, seja para as empresas ou consumidores. Porém, como ter a garantia de que esse processo é seguro e permite o compartilhamento de dados tão importantes, como os pessoais e os empresariais?

A resposta é simples: a regulação de um modelo Open gira em torno de uma estratégia de APIs completamente padronizada e segura, assim como o que está sendo usado no Open Banking. 

Dentro disso, a integração entre diferentes arquiteturas é diretamente supervisionada pelo órgão regulador responsável, a Superintendência de Seguros Privados (Susep). Ela faz a validação de cada processo para atender aos requisitos de segurança e desempenho dessa tecnologia, através de certificados e certificações, que atuam no diretório de Produção e Sandbox.

Para o diretório de Produção, são 4 arquivos de certificado necessários:

  • Server: certificado que fica na camada de gateway;
  • Client: identifica de acesso e identificação entre instituições;
  • Signature: auxilia na geração do token dentro do authorization server;
  • Front: certificado que vai ficar na tela de comunicação web, ou seja, no login como transmissora;

Já no diretório Sandbox, serão importados tanto o certificado de Server e Front normais, assim como em Produção, quanto os de Client e Signature, que serão gerados já auto-assinados.

Para as certificações acontecerem, elas são executadas pelo Open ID e testadas no ambiente de Sandbox.

Dentro desse processo de segurança, a Sensedia cria no diretório central o Authorization Server e acrescenta as informações dos certificados, das APIs e versionamentos de acordo com as fases.

Como a Sensedia pode ajudar na jornada de implementação do Open Insurance

A Sensedia oferece uma solução completa, 100% aderente à legislação do Open Insurance, que fará sua empresa estar de acordo com as normas em poucas semanas.

A plataforma já foi testada e premiada para o Open Banking com sucesso, e a Sensedia é Trusted Advisor no Grupo de trabalho de Especificações do Open Banking Brasil, sendo peça-chave na definição de seus padrões de API.

Para reforçar nosso compromisso em habilitar sua jornada de digitalização e adequação às normas do Open Insurance estabelecidas pela Susep, a Forrester Research divulgou, em seu mais recente report The Forrester Wave: API Management Solutions, Q3 2022, que a Sensedia foi nomeada como Líder, pela solução global em API Management e afirmou que "uma boa estratégia e design de APIs são bases fundamentais para a transformação digital".

Para falar com um especialista e entender o nível de maturidade da sua empresa para o Open Insurance, clique aqui!

Thanks for reading!