APIX
5
min of reading
August 5, 2022

Entenda as perspectivas da jornada digital na saúde

Hecktor Colombo
Content Creator
Marketing analyst. Specialist in content creation for blog, social networks, websites and journalistic text producer. Majoring in Marketing and Journalism at Estácio de Sá, in Rio de Janeiro
More about the author

A discussão sobre o ambiente digital na área da saúde ganha cada vez mais força ao falarmos sobre Open Health. Neste cenário, o uso de tecnologias se torna vital para diversos players evoluírem suas estratégias e, consequentemente, proporcionarem melhores experiências, tanto para pacientes quanto para profissionais. Tudo isso com segurança e agilidade.

No APIX 2022, realizado pela Sensedia em São Paulo, no WTC, dia 30 de junho, aconteceu um painel focado na visão atual sobre a saúde do futuro. Nele, participaram nomes importantes deste mercado: Denis Soares Dias, CIO e Head de TI na Unimed FESP (Federação das Unimeds do Estado de São Paulo), Mirian Rodrigues, CIO & Head of Innovation na GSK, e Luiz Valente, Executivo de TI na Rede D'Or.

Nesta conversa, percebemos que o uso de dados em um ecossistema aberto é essencial para uma análise profunda dos pacientes e ajuda no entendimento de tratamentos e até em cuidados preventivos. 

E, para que o nível de maturidade digital cresça e proporcione melhores experiências, é necessário que os sistemas das instituições estejam interoperáveis entre si e aptos para as integrações externas

Veja neste artigo o que os especialistas esperam para o futuro deste setor.

A experiência do futuro com o Open Health

Dentro da GSK, atuante da indústria farmacêutica, conforme disse Mirian Rodrigues, o uso de dados da jornada do paciente é essencial para a medicina de precisão, com a produção de remédios e tratamentos adequados para cada paciente. Além disso, ter sistemas ágeis e seguros é fundamental no setor para evoluir o controle de vacinação, principalmente entre o público adulto.

Para Denis Soares Dias, a questão da padronização, trazida pelas APIs dentro do modelo Open, é fundamental para ter um dado comparável e que agregue valor na hora de acelerar o acesso a informações que gerem benefícios em momentos vitais nos tratamentos.

Neste sentido, o uso dessa tecnologia será importante para entender os indivíduos além do momento em que se cadastram na Unimed, tendo visibilidade de todo o seu histórico, que pode passar pelo SUS ou outras instituições. Isso ajuda no entendimento e prevenção de doenças, ao tratar cada paciente de forma única.

Dentro da perspectiva dos hospitais, Luiz Valente comentou a importância dos dados para a experiência do paciente ao realizar consultas mais simples até processos mais completos, como o de internação. Nesta jornada de atendimento, ter dados integrados pode ajudar a desenvolver mais eficiência nos tratamentos e, principalmente, assertividade nas ações.

Na Rede D’Or, está em desenvolvimento um programa para que o corpo clínico tenha acesso às informações dos pacientes, mesmo que os mesmos tenham realizado procedimentos em outras unidades da rede, tudo em tempo real. O mesmo acontece com os pacientes, que possuem uma única plataforma para consultar seus tratamentos e resultados.

Você pode assistir a essa palestra completa! Basta clicar aqui e acessar gratuitamente.

Thanks for reading!