Food Sector
5
min of reading
November 17, 2022

Entenda a jornada de digitalização no setor de foodservices

Hecktor Colombo
Content Creator
Marketing analyst. Specialist in content creation for blog, social networks, websites and journalistic text producer. Majoring in Marketing and Journalism at Estácio de Sá, in Rio de Janeiro
More about the author

A pandemia de Covid-19 impactou diretamente os hábitos de consumo dentro do setor de foodservices. Se antes era comum sair para jantar ou curtir o famoso Happy Hour com os amigos depois do trabalho, isso mudou a partir de 2020. 

Os encontros em casa passaram a ser mais comuns e a preocupação com os protocolos de higiene manteve as pessoas mais distantes de ambientes compartilhados. Tal impacto refletiu não só nos consumidores, mas também nos estabelecimentos, que precisaram buscar maneiras para manter seus negócios ativos e conseguir entregar uma experiência mais próxima do “normal” possível.

A urgência em atender essa demanda de última hora evidenciou uma dor da área: a baixa digitalização de bares e restaurantes, que tinham sistemas antigos e de baixa produtividade. 

Neste artigo, você vai entender quais medidas que sustentaram o período da pandemia e as tendências para tornar este mercado cada vez mais digital. Boa leitura!

Investimento nas plataformas de delivery e experiência do consumidor

Um dos desafios foi pensar em formas de manter a qualidade, mesmo à distância, desde o pedido até o consumo. Isso inclui a plataforma de delivery, os cuidados com a embalagem e até a apresentação da refeição, que precisava levar a identidade da marca com ela e oferecer uma boa experiência.

Segundo uma pesquisa do Instituto Locomotiva, 74% dos estabelecimentos utilizam delivery e 70% contam com e-commerce próprio. Mesmo hoje, com a volta das atividades presenciais, a venda por delivery se estabeleceu como hábito de consumo e, para 37% dos comércios de foodservice, ele representa mais da metade do faturamento total.

Mas, com o bom uso de tecnologias e fazendo parte do caminho rumo à indústria 4.0, é possível ir ainda mais longe?

Tendências para a transformação digital do mercado de foodservice

Com o avanço dos restaurantes em plataformas digitais, iniciou-se a tendência de trazer cada vez mais experiências digitais, tanto para os profissionais da área quanto para seus consumidores, uma vez que os novos hábitos de consumo se estabeleceram.

Alguns exemplos como o QR Code, que passou a ser muito adotado para acessar o cardápio e os totens para realizar pedidos sem a necessidade de ir até o caixa, também foram implementados em muitos estabelecimentos e automatizaram o atendimento.

Dessa forma, a palavra que melhor representa esta jornada de transformação digital de bares e restaurantes é integração. E nesse contexto, o uso de APIs é fundamental para habilitar este processo.

A integração de dados é capaz de conectar várias plataformas em apenas um sistema. E ao considerar toda a fragmentação de processos dentro do mercado de foodservice, o uso da tecnologia, como as APIs, torna as integrações incrivelmente valiosas. 

Elas podem ser usadas em diferentes momentos, tanto para a experiência do cliente quanto para as estratégias de negócio:

  • Omnichannel: integrar diferentes ambientes de compra, como o site da empresa com as redes sociais é uma estratégia omnichannel importante para ampliar as oportunidades de negócio.
  • Policanalidade: pode ser considerada uma evolução do omnichannel, como uma estratégia que unifica toda a jornada de compra do cliente, com a possibilidade de passar por múltiplos canais de atendimento, conversão e pagamento.
  • Pedidos online: as integrações possibilitam resolver problemas como a solicitação manual de pedidos ao conectar o sistema do restaurante com a sua plataforma de API. Isso torna o atendimento mais ágil, prático e seguro.
  • Posicionamento nas buscas: hoje, os estabelecimentos podem integrar seu site ao Google Meu Negócio e redes sociais como Instagram e Facebook. Além de padronizar e automatizar a atualização de dados da empresa, que antes era manual, essa medida economiza tempo, aumenta a confiança do consumidor e melhora as classificações de pesquisa.
  • Relação entre a marca e cliente: o pedido online permite que os restaurantes obtenham os dados dos consumidores - à medida que a autorização é concedida - e as integrações facilitam o uso deles. Os restaurantes podem integrar as informações dos pedidos com as plataformas de e-mail marketing e usá-las para configurar campanhas automatizadas, aumentando o alcance da marca.

Todos os fatores mencionados acima mostram que é possível caminhar rumo à realidade da Food 4.0. Isso permite que soluções sejam criadas para que o setor de foodservice aproveite as tecnologias para realizar melhorias em seus produtos, métodos e processos. Com isso, algumas alternativas se destacam:

  • Robotic Process Automation (RPA)
  • Enterprise Service Manager (ESM)
  • API Lifecycle Management
  • Sistemas ERP;
  • Armazenamento em nuvem;
  • Softwares para gerenciamento de projetos e equipes.

A importância de ter um parceiro nessa jornada

Percorrer a jornada de transformação digital não é uma tarefa simples e exige, além de tudo, visão a médio e longo prazo sobre o nível de maturidade que seu negócio pode chegar. E para isso, é fundamental caminhar com parceiros que ajudem a ter esse olhar e sejam referência no mercado.

Esse é o papel da Sensedia, uma empresa reconhecida pela Forrester como líder em API Management e com um time de especialistas preparados para fornecer ao mercado de alimentos e bebidas a melhor estratégia em APIs e integração.

Thanks for reading!